15 de fevereiro de 2009

Todos na mesma viagem

Tomar um ônibus, pegar a condução, ir de busão, tudo a mesma coisa, e milhões de pessoas se deslocam diariamente através desse meio de transporte. Porém, as irregularidades nesse sistema são constantes e se aplicam a diversas regiões brasileiras.
Não faz muito tempo, num dia de chuva, eu esperava meu ônibus no ponto. Hora do rush! A inexpressividade da frota que faz a linha do meu bairro, fez a espera durar uns vinte minutos. Isso, na hora do rush, é inconcebível, afinal, as pessoas querem ir pra casa após um longo dia de trabalho.
O ônibus veio. Lotado, é óbvio. A passagem? Cara. Dois reais por apenas quinze minutos de viagem. Se compararmos isso com os preços e o trajeto feito pelos ônibus dos grandes centros, como o Rio de Janeiro, podemos deixar até correr uma lágrima pelo rosto ao abrir mão daquela esfolada cédula azul da tartaruga marinha.
As poltronas... bem... não sei se eram macias, pois fiquei o trajeto todo de pé. De um pé, digamos. Era tão apertado o espaço que dispunha pra mim que tinha que me equilibrar sobre uma das pernas, segurar na haste superior de metal que estava completamente empoeirada, aguentar um sovaco no meu ombro e espantar um pernilongo com assopros.
Pessoas amontoavam-se antes e depois da roleta (catraca, borboleta, como quiser). Pessoas escoravam-se nas portas do ônibus. E, por mais impressionante que possa parecer, o motorista continuava a parar nos pontos quando algum pedestre fazia um sinal. Talvez ele fizesse isso pelo simples prazer em ver a indignação de quem, logicamente, não conseguia embarcar.
O aroma de suor, calça jeans molhada e chulé de criança saída da escola completavam o clima do agradável ambiente.
Dizem que os idosos acima de 65 anos e crianças até a quarta série têm passagem gratuita, porém já pararam pra pensar o porquê da nossa passagem ser tão cara? Pois é, existe uma coisa que eu gosto de chamar de "pagar o pato". Ônibus lotado pra garantir a despesa com todos os velhinhos e crianças melequentas.
Gente não é carga. Ônibus não é lata de sardinha. Dinheiro não é capim. A situação é revoltante, mas continuo preferindo um ônibus lotado a um carro com um só passageiro. E ainda tem político por aí querendo criar projetos de incentivo ao uso de táxis. Nem temos problemas de congestionamento de trânsito mesmo, né?!

*publicado sob o codinome El Niño no blog http://www.climaruim.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...